Governo do Estado monitora nuvem de gafanhotos na Argentina

O Governo de Santa Catarina realizou nesta quarta-feira, 24, a primeira reunião de trabalho para planejar as ações de resposta, diante da possibilidade de ingresso da nuvem de gafanhotos migratórios que está em deslocamento no território argentino. O encontro foi realizado de forma virtual e contou com a participação de representantes da Defesa Civil Estadual (DCSC), Epagri, Cidasc, Secretaria de Estado da Agricultura e Corpo de Bombeiros Militar.

Segundo especialistas da área, a possibilidade de chegada em Santa Catarina é remota. Mesmo assim, o monitoramento da nuvem será realizado de forma preventiva, com a integração dos órgãos envolvidos e coordenado pelo Centro Integrado de Gerenciamento de Riscos e Desastres (CIGERD).

A tendência climática para os próximos dias indica que os ventos favorecem o afastamento da nuvem de gafanhotos do território brasileiro. A chegada de uma frente fria nos próximos dias pode contribuir ainda mais para a redução do risco, pois a espécie necessita de temperaturas acima de 25 graus para se manter ativa. A chuva também pode provocar a mortalidade dos insetos.

Ainda segundo os entomologistas da Epagri, a nuvem esteve mais próxima do território catarinense no início de junho, quando estava sobre a Argentina e próximo a fronteira com o Paraguai. Hoje está mais perto de Uruguaiana, na fronteira com o Rio Grande do Sul.

O Governo do Estado mantém contato e possui informações fornecidas pelo Serviço Nacional de Segurança e Qualidade Alimentar da Argentina (SENASA), pelo Ministério da Agricultura do Brasil e a Secretaria da Agricultura do Rio Grande do Sul.

É importante destacar que neste momento não existe necessidade de ação preventiva por parte dos agricultores. O uso indiscriminado de agrotóxicos, além de desperdício de recursos, pode causar impactos negativos no meio ambiente, atingindo insetos polinizadores e prejudicando diversas culturas.

Alertas

Caso exista necessidade, a Defesa Civil e a Secretaria da Agricultura emitirão alertas para os agricultores e profissionais. Os produtores rurais que tiverem qualquer suspeita em relação à chegada de uma “nuvem de gafanhotos” podem procurar os escritórios municipais da Cidasc ou Epagri.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email