Vacinas da febre amarela podem ser tomadas em qualquer unidade de saúde do município

A morte de alguns macacos por febre amarela no Estado, trouxe de volta a necessidade de vacinação contra a doença. A vacina pode ser tomada em qualquer unidade de saúde municipal que tenha salas de vacina. Pessoas acima de 9 meses de idade e menores de 59 anos são a faixa etária para tomá-la. Pessoas com mais de 60 anos podem ser vacinadas, desde que apresentem uma declaração médica.

Desde 2018, o estado de Santa Catarina passou a ser área recomendada para a vacinação. De acordo com a enfermeira técnica do setor de imunização de Criciúma, Kely Barp Zanette, o Ministério da Saúde fez uma compra expressiva de vacinas. “A aquisição foi feita para que não faltem vacinas nos anos de 2021 e 2022. Temos vacinas suficientes em estoque”, declara. Para ela, é necessário um conjunto de ações para a prevenção e ressalta casos de óbitos no estado. “Além da vacinação é preciso cuidado com a limpeza de locais que podem ser foco do mosquito da dengue, que também é transmissor da febre amarela. Ano passado dois homens não vacinados e dentro da faixa etária da vacina morreram pela doença”.

Publicidade
blank

Não foram registrados casos confirmados em humanos na cidade de Criciúma no último ano, somente um em uma cidade vizinha. É recomendado fazer a vacina com 10 dias de antecedência se a pessoa for viajar para outro lugar.

Casos de macacos mortos pela febre no estado

Segundo a Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive), em uma coleta de informações feita em 93 municípios do estado no ano de 2020, de 1.032 macacos suspeitos de morrerem de febre amarela, 13% foram confirmadas, 6% foram descartadas, 63% não foram detectadas causas e 18% estão sob investigação.

“O macaco é considerado um animal sentinela. Monitorando os casos suspeitos deles, podemos verificar como anda a propagação do vírus na região. Eles servem como um alerta”, conta a médica veterinária Mayara Vieira Tizatto, do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ). A última vez que um macaco foi encontrado morto na cidade foi em setembro de 2019, porém não foi possível identificar a sua causa morte, pois estava em avançado estado de  decomposição, impossibilitando a coleta de material biológico para a realização de análises laboratoriais.

Se o morador avistar um animal morto ou que aparenta estar doente, ele pode entrar em contato com o Centro de Zoonoses pela ouvidoria 156 ou pelo número (48) 3430-0698. Após isso, os profissionais vão até o local, em até 24 horas, para a coleta de dados.

O transmissor

O vírus é transmitido pelo mosquito Aedes Aegypti, o mesmo da Dengue, Chikungunya e Zikavírus. Ele se propaga com mais frequência no verão pois o mosquito prefere locais com temperaturas elevadas para se proliferar. O animal coloca ovos na superfície de recipientes com água parada.

O recomendado é fazer vistorias e limpezas frequentes em locais onde o mosquito pode depositar seus ovos.

Seja um Leitor Parceiro!

Em uma época em que a facilidade ao acesso de informação acaba multiplicando a desinformação, e para piorar em meio a uma pandemia, o site Bairros Criciúma reforça o compromisso com o jornalismo sério, profissional e de qualidade. Nossa equipe se dedica diariamente na difusão de informação responsável e que você pode confiar.

Para que possamos melhorar cada vez mais e juntos possamos ter um jornalismo sério e o compromisso com a informação de qualidade, contamos também com a contribuição espontânea de nossos leitores!
Para contribuir basta fazer um Pix de qualquer valor para a chave: leitorparceiro@bairroscriciuma.com.br

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email