Coronavírus e tabagismo: uma combinação perigosa

A Covid-19, provocada pelo novo Coronavírus, é uma doença relativamente nova e, portanto, muitos estudos sobre seu comportamento ainda estão sendo desenvolvidos.

Enquanto a ciência tenta desvendar todos as nuances desse novo vírus, alguns perfis já valem ser colocados no radar, como é o caso dos fumantes. Para entender a relação da doença com esse grupo, considerado de risco, é preciso traçar uma linha do tempo sobre os malefícios do cigarro para o sistema respiratório.

Quando o assunto é tabagismo, o risco de adoecer as vias aéreas aumenta. Muito se fala sobre o surgimento do câncer, mas o cigarro também está associado a doenças respiratórias como asma, enfisema pulmonar, bronquite crônica e a doença pulmonar obstrutiva (DPOC).

Sistema respiratório comprometido: alerta para maior gravidade do Coronavírus

Segundo Andréa Reis, da Divisão de Controle do Tabagismo do Instituo Nacional do Câncer (INCA), os fumantes também são acometidos com maior frequência a infecções, como sinusites, traqueobronquites, pneumonias e tuberculose. Além disso, o tabaco tem relação com diferentes tipos de inflamação e pode prejudicar os mecanismos de defesa do organismo.

Tratar sobre os malefícios do cigarro nos ajuda a entender por que os fumantes estão mais vulneráveis ao agravamento da infecção por Covid-19, uma vez que a doença acomete o sistema respiratório. Segundo o Ministério da Saúde, o novo Coronavírus tem alta transmissibilidade e provoca síndrome respiratória aguda, cuja letalidade varia em função da faixa etária e condições clínicas associadas.

É importante lembrar que a maioria das pessoas que adoecem em decorrência dessa doença apresentarão sintomas leves a moderados e se recuperarão sem tratamento especial. Porém, ainda segundo o Ministério da Saúde, casos mais graves podem requerer atendimento hospitalar por apresentarem dificuldade respiratória ou ainda necessitar de suporte para o tratamento de insuficiência respiratória (suporte ventilatório).

Portanto, o INCA alerta que devido a um possível comprometimento da capacidade pulmonar, o fumante possui mais chances de desenvolver sintomas graves da Covid-19. Além disso, vale destacar que o contágio se dá pelo contato com gotículas respiratórias de doentes e que, por isso, é tão importante higienizar as mãos com frequência, bem como superfícies tocadas constantemente, além de evitar tocar as mucosas de boca, nariz e olhos.

Contatos de risco

Uma vez que os fumantes estão constantemente colocando as mãos, e até mesmo cigarros contaminados, em contato com a boca, a possibilidade de transmissão do vírus fica maior ainda, reforça Andréa. Ela lembra também que o risco vale para os produtos que envolvem compartilhamento, como o narguilé, cigarros eletrônicos e cigarros de tabaco aquecido.

A boa notícia é: ao deixar de fumar, os benefícios à saúde são imediatos. Segundo o INCA, os pulmões dos fumantes já passam a funcionar melhor após 12 a 24 horas sem fumar. Desse modo, além dos cuidados com a higiene pessoal e de evitar aglomerações, é muito importante parar de fumar para prevenir o contágio de Covid-19.

Em qualquer situação, essa é uma decisão difícil e passa em algum grau pela gestão da abstinência. Pode ser ainda mais desafiador durante uma pandemia, quando há diversas situações estressantes. Mas a especialista do INCA lembra que o fumante precisa ponderar os riscos que corre, especialmente neste momento, e considerar esse contexto de pandemia como uma janela de oportunidade para dar um adeus definitivo ao cigarro.

Se você é fumante e quer parar de fumar, mas ainda não sabe por onde começar, separamos no quadro abaixo algumas orientações importantes dadas pelo INCA. Vamos nessa?

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email