Cultura para todos os públicos nesta quarta-feira

Eventos culturais promovidos pelo Sesc e pela Fundação Cultural de Criciúma (FCC), nesta quarta-feira (28), movimentam a cena local e trazem encanto para os mais variados públicos. A partir das 14h, no Auditório do Sesc Criciúma (Rua Presidente Kennedy, 850 – Pio Correa), acontece o projeto Baú de Histórias, voltado para crianças e jovens, com a apresentação do espetáculo “Da Boca do Povo”, de Lieza Neves.

O Baú de Histórias

O Baú de Histórias introduz no cotidiano de Santa Catarina uma arte popular de origens ancestrais, que remonta ao próprio nascimento da sensação do tempo entre os homens, quando a fala passou a ter o poder de tornar presentes fatos que ocorreram num passado distante e que, sem o contar de sua história, estariam perdidos na neblina do esquecido. O projeto é uma ação em prol do incentivo à leitura, da valorização do contador de histórias como profissional reconhecido e da difusão da literatura.

O espetáculo “Da Boca do Povo” aborda histórias tradicionais, nascidas da voz de alguém que há muito tempo, em terras distantes, resolveu contar, chegam até nós ultrapassando fronteiras geográficas e de idiomas, mas com o frescor e impacto de sempre. No repertório “Da Boca do Povo” a contadora de histórias Lieza Neves apresenta diversos contos da tradição oral, ressaltando a magnitude do principal instrumento desta arte ancestral: a voz. É ela quem conduz, cria imagens, propõe as emoções de cada história.

Sarau de Oficinas

Ao cair da noite, o público será aguardado no Galpão das Artes do Centro Cultural Jorge Zanatta, para o Sarau de Oficinas. A partir das 19h serão realizadas apresentações musicais pelos alunos das oficinas promovidas pela fundação, como piano, teclado, acordeão, violão e violino.

Para a professora de piano, Deise Marconi, o evento ajudar a motivar os alunos para continuar aprendendo. “É importante para nós vermos o desenvolvimento dos alunos pelo semestre. Esta apresentação é para que eles já aprendam a se portar e a como dominar as emoções diante de um público”, afirma.

Segundo a professora de violino, Kemilly da Costa, o evento é uma oportunidade de pôr em prática o que os alunos estudaram. “Na primeira experiência, normalmente, eles ficam muito nervosos em público e o sarau irá ajudar a perderem um pouco do medo. A minha turma de violino vai tocar toda junta e eu vou tocar com eles para passar um pouco de segurança também. Vamos ter um dueto, todos os alunos tocando juntos para todo mundo ter a mesma experiência. Eles gostam de tocar em grupo”, conta a professora.

O aluno Davi Borges, 17 anos, já participa há um ano das aulas no Centro Cultural Jorge Zanatta e vai participar do evento. “Estudando as definições da palavra sublime e belo, eu ainda encontro uma dificuldade em conseguir descrever quão bom é tocar o violino e, principalmente, participar de um evento como este que será o sarau”, declara o aluno.

Incentivo

“Este evento das oficinas, com certeza, é um adendo muito grande para os alunos. Irá incentivá-los a ter coragem perante uma plateia e também a tocar com a alma e o coração sem deixar se levar pelo medo”, comenta o presidente da FCC, Júlio Lopes.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email