Coletivo feminista convida para a”Greve Internacional de Mulheres 2020″ em Criciúma

Em alusão ao Dia Internacional das Mulheres, que é comemorado no dia 8 de março, o coletivo feminista 8M de Criciúma e região promove o evento “Greve Internacional de Mulheres”, com o tema “Viver com dignidade e liberdade: trabalho, corpo e território!”, que será realizado no próximo domingo, a partir das 14h, no Palco central do Parque das Nações, em Criciúma.

Na manhã desta quinta-feira as organizadoras realizaram uma panfletagem no Centro da cidade para convidar a comunidade para prestigiar o evento e conhecer um pouco mais sobre o coletivo e as suas lutas, nas abordagens de homens e mulheres, alguns permitiam o diálogo e havia quem se solidarizava e também alguns que não tinham simpatia pela ideologia.

Segundo informações das integrantes do coletivo: Rafaela, Andreza e Ingrid, as atividades culturais e o debate são voltados para as famílias e o principal objetivo é a luta pelo fim da violência contra as mulheres. Os índices alarmantes, como o de um feminicídio a cada 2h no País, exige que o movimento se fortaleça, ressalta Ingrid.

No dia do evento serão realizadas oficinas, exposição fotográfica, varal literário e um chá com prosa. No local serão disponibilixados monitores para que as mães possam participar dos debates com mais tranquilidade.

Em Criciúma o 8M iniciou as suas atividades no dia 19 de dezembro de 2019, quando foi realizado um ato “Um violador em seu caminho”, réplica dos atos realizados pelas mulheres do movimento no Chile e em outros países, contou Rafaela. Com atuação internacional desde 2017, o coletivo tem representantes nacionais, estaduais e agora locais.

As integrantes do coletivo local são de Criciúma e de cidades da região, elas se reúnem semanalmente para debater temas relacionados as suas causas, bem como para participar ou organizar ações em prol da valorização dos direitos das mulheres. Atualmente o coletivo local conta com 53 integrantes, destacou Andreza.

O movimento também é antifascista e antirracista, participam mulheres de todas as idades, que pertencem ou não a vertentes políticas, que integram o conselho da mulher, professoras, psicólogas, advogadas, estudantes, entre outras militantes da causa feminista.

A cor verde dos panfletos é uma alusão a campanha chilena e argentina pelo fim da criminalização do aborto, umas das causas defendidas pelo movimento. Fora do País a participação das mulheres em movimentos feministas é muito maior, ressaltou Ingrid, que reside em Forquilhinha há dois meses, vinda de Florianópolis, ela já milita há mais de 15 anos nas causas feministas e acredita que o movimento na região está começando de forma certa e ficou impressionada com a expansão dele por aqui, em tão pouco tempo.

O coletivo tem amadurecido e a presença das mulheres mais jovens tem contribuído para o fortalecimento dele, na busca pelo protagonismo feminino, da igualdade, respeito e mudança de cultura quanto a naturalização da violência contra a mulher, declarou Ingrid.

Programação 8M 2020 em Criciúma

Instalação Artisitica e Performance Projeto ADINKRAS: o ciclo da violência

Oficinas:

  • Turbantes
  • Alongamento na Expressividade do Corpo
  • Automaquiagem

Exposição Fotográfica:

  • Mulheres indígenas

Varal Literário

Chá com prosa:

  • Saúde da mulher
  • Ciclo da violência

Mais informações podem ser obtidas pelas redes sociais do coletivo, no Instagram @8mcriciuma e no Facebook 8MCriciúma

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email