A Fundação Municipal de Esportes (FME) realiza, em parceria com a escola Antônio Milanez Netto, um projeto de atletismo voltado para crianças e adolescentes, aberto à comunidade. Os encontros ocorrem nas terças e quintas durante a tarde, das 13h30 às 17h, na pista de atletismo da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC).

Segundo Neto Uggioni, presidente da FME, a ação é organizada pelo Coordenador Social Bruno Colombo, e as aulas têm orientações dos técnicos Roberto Bortolotto e Mirelli Berti, com auxílio de jovens estagiários. “As práticas promovem o desenvolvimento social dos participantes e aprimoram o condicionamento físico.

Os treinos são importantes para a comunidade, pois evitam que as pessoas fiquem ociosas ou sedentárias. Exercitamos diversas técnicas do atletismo, mas também ensinamos disciplina e respeito ao próximo” disse o presidente.

O treinador Bortolotto complementou a linha de pensamento de Neto. “Dessa maneira, ajudamos a formar o caráter de um bom cidadão e colaboramos para uma sociedade mais saudável. É a partir desse empenho que surgem grandes campeões e se promove uma perspectiva de futuro no esporte” explicou.

Como participar das aulas:

Aos interessados em participar das atividades, as inscrições podem ser feitas diretamente em um dos encontros na pista da UNESC.

Competições e demais projetos:

A equipe de atletismo da FME participará, neste sábado, dia 08, de uma competição estadual sub-20, em Timbó. A equipe já conquistou, na semana passada, três medalhas no Campeonato Estadual Adulto. Além do atletismo, a FME oferece ainda, nos parques municipais, aulas de zumba, boxe e judô, seguindo as devidas medidas sanitárias recomendadas pelas autoridades de saúde.

O Projeto Jogue Limpo com a Cidade, iniciado pelo Governo do Município por meio da Fundação de Meio Ambiente (Famcri), está reaproveitando mensalmente, aproximadamente duas toneladas de materiais recicláveis. O objetivo da ação é que, até o fim do ano, sejam coletadas 100 toneladas de resíduos retornáveis por meio do projeto, gerando mais empregos e aumentando a renda dos trabalhadores que atuam na área.

Os materiais selecionados e limpos por 40 trabalhadores no Ecoponto, são destinados a indústrias da região. “O ato de reciclar beneficia o meio ambiente, também entra como ação social e contribui com a economia da cidade”, afirma o gerente do Ecoponto e gestor do projeto, Dhido Serafim. Ao todo, Criciúma gera mais de 1,7 mil toneladas de materiais recicláveis mensais, porém deste total, apenas 100 toneladas retornam com a coleta seletiva feita por caminhões nos bairros de Criciúma.

“Comparado ao tanto que os criciumenses produzem, o quantitativo reaproveitado é pouco. Com o nosso objetivo de reciclar 100 toneladas no projeto e com a coleta seletiva nos bairros, que atualmente já retorna 100 toneladas, vamos reaproveitar 200 toneladas de recicláveis por mês”, destaca Dhido. Ele ainda completa que “com a conscientização da população para fazer o destino correto dos resíduos, o retorno dos materiais aumenta e gera novos empregos na cidade”.

Além do objetivo de aumentar o retorno de materiais, o projeto planeja implantar 50 pontos de coleta por meio de parcerias com estabelecimentos do município. “Conforme os criciumenses vão aderindo ao programa, a demanda aumenta e gera a necessidade de mais pontos de coleta na cidade”, destaca Dhido. Ao todo são nove pontos de coleta nos Parques das Nações Cincinato Naspolini, dos Imigrantes e Municipal Prefeito Altair Guidi e nas Intendências do Rio Maina, Santa Luzia e Quarta Linha, além de dois postos de combustíveis na cidade (Posto Chile e Posto HG), no bairro Ceará e no bairro Quarta Linha, respectivamente.

Trabalhadores informais e inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) nascidos em junho podem sacar, a partir de hoje (7), a primeira parcela do auxílio emergencial 2021. O dinheiro havia sido depositado nas contas poupança digitais da Caixa Econômica Federal em 18 de abril.blankblank

Os recursos também poderão ser transferidos para uma conta corrente, sem custos para o usuário. Até agora, o dinheiro podia ser movimentado apenas por meio do aplicativo Caixa Tem, que permite o pagamento de contas domésticas (água, luz, telefone e gás), de boletos, compras em lojas virtuais ou compras com o código QR (versão avançada do código de barras) em maquininhas de estabelecimentos parceiros.

Em caso de dúvidas, a central telefônica 111 da Caixa funciona de segunda a domingo, das 7h às 22h. Além disso, o beneficiário pode consultar o site auxilio.caixa.gov.br.

O auxílio emergencial foi criado em abril do ano passado pelo governo federal para atender pessoas vulneráveis afetadas pela pandemia de covid-19. Ele foi pago em cinco parcelas de R$ 600 ou R$ 1,2 mil para mães chefes de família monoparental e, depois, estendido até 31 de dezembro de 2020 em até quatro parcelas de R$ 300 ou R$ 600 cada.

Neste ano, a nova rodada de pagamentos, durante quatro meses, prevê parcelas de R$ 150 a R$ 375, dependendo do perfil: as famílias, em geral, recebem R$ 250; a família monoparental, chefiada por uma mulher, recebe R$ 375; e pessoas que moram sozinhas recebem R$ 150.

Regras

Pelas regras estabelecidas, o auxílio será pago às famílias com renda mensal total de até três salários mínimos, desde que a renda por pessoa seja inferior a meio salário mínimo. É necessário que o beneficiário já tenha sido considerado elegível até o mês de dezembro de 2020, pois não há nova fase de inscrições. Para quem recebe o Bolsa Família, continua valendo a regra do valor mais vantajoso, seja a parcela paga no programa social, seja a do auxílio emergencial.

Agência Brasil elaborou um guia de perguntas e respostas sobre o auxílio emergencial. Entre as dúvidas que o beneficiário pode tirar estão os critérios para receber o benefício, a regularização do CPF e os critérios de desempate dentro da mesma família para ter acesso ao auxílio.

Fonte: Agência Brasil

Idealizada pelo Sindicato das Empresas de Informática, Processamentos de Dados e Tecnologia da Informação do Estado de Santa Catarina (Seprosc), a iniciativa estadual e recém-lançada de capacitação profissional, Jovem Programador, também será executada em Criciúma pela prefeitura municipal, em parceria com a Faculdade Senac. O projeto beneficiará estudantes de baixa-renda, entre 16 e 25 anos, na área de tecnologia. As inscrições vão até 14 de junho pelo site: www.jovemprogramador.com.br.

O objetivo do curso é qualificar jovens na área de programação para atuar em empresas de Santa de Catarina. “Nós queremos dar oportunidades para os estudantes da região, com o objetivo de que eles se capacitem e ingressem no mercado de trabalho. As empresas também acabam sendo contempladas com mão de obra qualificada”, comentou o diretor de Desenvolvimento Econômico, Tecnologia e Inovação, Aldinei Potelecki.

O programa é divido em diversos módulos. O primeiro tem início em 21 de junho e será totalmente on-line. Já a segunda e terceira ocorrem de maneira semipresencial e para participar os estudantes devem ter bons indicadores na primeira etapa. Nesses estágios, as aulas serão voltadas para Programação de Sistemas e Web.

Ao todo, são mais de 440 horas-aulas para a formação de programadores. “A área de tecnologia vem crescendo muito no mundo inteiro, principalmente nos últimos anos. E esse grande projeto vem para formamos jovens qualificados na nossa região, uma carreira extremamente promissora”, declarou o diretor da Faculdade Senac, Alexandre Meneguetti.

Inscrições

Para participar do projeto, os jovens precisam estar cursando a partir do primeiro ano do ensino médio. Além disso, para acessar o curso de maneira gratuita é preciso ter renda familiar per capita de até dois salários mínimos.

Jovem Programador

O programa é uma iniciativa do Seprosc, em parceria o Senac SC, e com apoio do Sindicato das Empresas de Informática da Grande Florianópolis (Seinflo), Sindicato das Empresas de Processamento de Dados e Informática de Joinville (Communitech), Associação Catarinense de Tecnologia (Acate) e Federação Catarinense de Municípios (Fecam).